TopGear.com conversa com Sir Stirling Moss

Large Image

Sir Stirling Moss não está contente. “Os carros de hoje estão muito mais feios do que já eram”, ele diz. “É por causa das regras de hoje, mas deveria haver uma regra dizendo que seu carro deveria ser bonito”.

Uma expressão de preocupação aparece no rosto do icônico octogenário. “Carros feios não deveriam vencer”, ele diz. Agora ele está sorrindo. Sir Stirling pode estar nos seus anos dourados, mas sua idade avançada não diminuiu seu entusiasmo pela Fórmula 1. Ele ainda goza de boa forma, seu corpo pequeno possui a ajuda apenas de um assento dobrável portátil, e mostra muito entusiasmo pela nova temporada – mas não por “aqueles” narizes polêmicos.

“Acho que o que importa é que o quanto eles são competitivos”, ele diz, “mas pessoalmente, acho que os carros de Fórmula 1 de antes da Segunda Guerra Mundial eram muito bonitos, e, claro, os da minha era também eram.”

Certo, aquela era. Fangio, Moss, Hawthorn, Brabham e o ápice do estilo automobilístico com a Ferrari, a Lotus e, claro, a Mercedes-Benz, além de outras. Também é a era que infelizmente deu a Moss a alcunha clichê mas trágica: “o maior piloto britânico que nunca ganhou um título mundial”.

Talvez, como alguns têm argumentado, se Sir Stirling fosse mais egocêntrico ele teria sido coroado campeão. Mas isto não está no DNA do homem. “A pior coisa que pode acontecer é alguém que não merece ser campeão, ou que ganha por sorte ou sei lá”, ele diz.

“E francamente, sempre gostei de ver o piloto melhor e mais rápido ganhar, contanto que seja alguém que mereça”, ele diz, quando perguntado sobre quem ele gostaria de ver como campeão este ano. Ele hesita um pouco. “Mas eu diria que o Vettel é um grande candidato.”

Vettel. O jovem alemão indestrutível com um dedo indicador indestrutível e uma fome voraz por chegar ao pódio. E o homem que lidera a tabela dos pilotos de F1 do Top Gear. Foram raras as vezes que vimos ele errar e provar que ainda é um ser humano: talvez uma vez, no molhado GP do Canadá do ano passado, num vacilo digno de Hollywood após sofrer grande pressão do Button. Mas no geral, ele tem sido impecável. Sir Stirling concorda.

“Espero que esta temporada seja melhor que a do ano passado, mas só iremos descobrir mesmo na primeira corrida, na Austrália. Mas deve ser boa. Sinceramente, não consigo imaginar o Vettel sendo superado. Ele é um grande piloto e seu carro é excelente.”

“Tendo dito isso, acho que Jenson Button, apesar de não ter muitas chances de ganhar o título, irá se sair muito bem nesta temporada. Mas não depende apenas do Vettel, tem o Adrian Newey também. Adrian Newey sozinho já é difícil de vencer, mas tendo o piloto mais rápido do mundo, não é fácil vencer os dois.”

É verdade. Algo que o grid inteiro sabe, que este ano possui um total de seis campeões mundiais (bem-vindo de volta, Kimi). Um deles é o antes invencível Michael Schumacher, um home que causou furor com sua volta, e continua a aparecer nos jornais através de sua inabilidade em superar o companheiro de equipe, Nico Rosberg.

“Acho que a maior contribuição do Michael ao esporte a motor foi juntar-se à Ferrari quando ela estava por baixo e ajuda-la a virar a equipe que hoje é tão boa quanto qualquer outra”, Moss opina. Se a Ferrari acredita nisso é um papo para outro dia, mas uma coisa é clara: o fato dos vários títulos mundiais do Schuey intimidarem mesmo o talento mais cru não agrada à lenda de 82 anos.

“O fato dele ter sete títulos mundiais não me impressiona muito”, ele diz. “Não me impressiona mesmo. Ele é um bom piloto, mas ele sempre teve o melhor carro. Não dá para comparar isso com vencer na minha era.”

E vê-lo exortar as virtudes daquele período dourado do esporte a motor deixa você com a impressão de que Moss sente falta dos seus dias de glória. Claro, ele pode respeitar o KERS de hoje (“gosto muito disso – acho que em dez anos todos os carros de série terão ele, não dá para imaginar o contrário”) e a confiabilidade (“não se vê muitos carros quebrando hoje em dia, e sua robustez é a melhor coisa do mundo”), mas para ele, um aspecto vital, elementar e natural da Fórmula 1 está em risco.

O perigo.

“Não trocaria minha era por esta era moderna da Fórmula 1”, ele diz, sem hesitação. “Eu ergueria um muro de tijolos ao redor das pistas de hoje. Toda essa área de escape que elas possuem, eu sinceramente acho que estraga as coisas. Acho que o esporte a motor é – desculpe, era – um esporte perigoso.”

Tome, por exemplo, a morte prematura de Ayrton Senna. “A verdadeira tragédia com o Ayrton foi que ele morreu numa era realmente segura”, diz Moss. “Ele morreu por causa da segurança. Se não tivessem esticado a mureta de proteção até o ponto onde ele bateu, ele teria resvalado nela.”

Eis a prova de que, apesar do seu comportamento cordial, caloroso e “de vovô”, o coração de um piloto de sangue quente ainda bate forte. “Não quero saber dessas áreas de escape, porque eu realmente acho que elas não melhoraram nada.”

“Quando era um garoto de 18 anos, eu queria era o perigo.”

moss

Texto: Vijay Pattni
Fonte: TopGear.com
Tradução: John Flaherty

Anúncios

Sobre johnflaherty

Meu nome é Sadao H. Konno, mas sou mais conhecido como "John Flaherty". Por quê? Porque sim, uai! Desde criança, eu gosto de carros, tanto que minha lembrança mais antiga dessa época é de uma capa da antiga Audi Magazine. Nunca fui muito de ler os grandes clássicos da literatura, mas o que me salvou foram as revistas especializadas em carros. Mais precisamente, a QUATRO RODAS, a MOTOR SHOW e, recentemente, a AUTO ESPORTE. Acho que foi em 2009 que descobri o Top Gear, e desde então, virei um grande fã da trupe formada pelo Jezza, Hamster, Capitão Lerdo e Stig. Em 2010, inspirado por uma amiga da faculdade, decidi começar a legendar vídeos do Top Gear e postá-los no YouTube. Infelizmente, minha conta foi bloqueada pela BBC, mas agora, ofereço suporte ao blog Top Gear BR.

Publicado em 15/03/12, em Matérias traduzidas, News e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 6 Comentários.

  1. “deveria haver uma regra dizendo que seu carro deveria ser bonito”

    Concordo plenamente

  2. Rafael Costa

    Que belo artigo!! Estou emocionado… queria muito conhecer um piloto tão experiente como ele… temos que respeita-lo muito.

  3. “Eu ergueria um muro de tijolos ao redor das pistas de hoje. Toda essa área de escape que elas possuem, eu sinceramente acho que estraga as coisas. Acho que o esporte a motor é – desculpe, era – um esporte perigoso.”

    Concordo totalmente com essa lenda. Hoje os pilotos podem se dar ao luxo de errar o quanto quiserem, pois sabem que nada (ou quase nada) pode acontecer com eles.
    Já o vovô ali sabia que se uma roda saísse da parte cinza e fosse parar na parte verde, era morte na certa.

    • É só ver como eles correm em Mônaco e em Cingapura, que são circuitos de rua. Só que no caso dessas fica um tanto entediante porque eles acabam ficando com medo de ultrapassar uns aos outros, então…

    • Fora os erros que quando cometem o carro e sua eletrônica corrigem, isso para mim é o que desanima a F1 hoje. Deveriam aumentar a segurança do cockpit e só, pistas e dispositivos eletrônicos a favor deveriam ficar de lado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: