Richard Hammond e as motos

richard_hammond_get_his_ducati_1098

Posso não estar tão surrado quanto meus dois colegas, mas ainda assim, é fato que estou me aproximando da meia-idade, se já não estiver acomodando-me no meu banco de praça favorito com um suspiro confortável e um saco de pão para os patos. Há sinais: tenho um ou dois fios de cabelo brancos; gosto de um sapato confortável; eu meço a passagem do tempo desde que fiz algumas coisas em décadas; considero assistir Downtown Abbey perto de uma experiência religiosa… e gosto de criar e usar um ditado até que esteja tão batido quanto eu.

A minha garagem é o testemunho do significado da motocicleta para aqueles que se aproximam da meia-idade. Ela contém exemplares imaculados das motos da minha juventude. Uma Suzuki GSX-R 1100 resplandece ao lado de uma Kawazaki ZXR 750 H1, e com uma pequena KR1S 250 entre elas. Todas são igualmente importantes para mim, com níveis iguais de significância. Elas também são terríveis. Eu andei nelas recentemente e acabei me perguntando como motociclistas conseguiram sobreviver aos anos 1980. No entanto, voltando ao assunto, um dos ditados que gosto de usar diz respeito a esta questão.

As motos avançaram muito, mas não tanto quanto o equipamento. Eu alegremente mostrarei a qualquer um que estiver aprendendo a andar de moto que enquanto as motos melhoraram imensamente (com o controle de tração, GPS, suspensões, direção e freios melhores, etc.), na verdade é o equipamento – luvas e botas e capacetes e por aí vai – que dá ao motociclista moderno a vantagem sobre o motociclista de apenas duas décadas atrás.

Tecidos modernos e equipamentos à prova d’água elevaram nós, motociclistas, acima das vacas, que têm que ficar no campo e aceitar o afago gelado da chuva e do vento. E, tendo isto em mente, eu parti todo alegre na viagem de 209 km de casa até Londres semana passada, num tempo ruim o bastante para fazer um pescador durão ler uma carta de sua mãe.

Eu não me importei tanto porque eu poderia testar minha novas luvas de inverno. E elas funcionaram. Minhas mãos permaneceram secas e aquecidas enquanto viajava até Oxford pela A40, abrindo caminho através de quilômetros de trânsito e em direção à capital.

Enquanto me aproximava de Londres, eu usei minha mão excessivamente grande para digitar o endereço que queria no GPS. Infelizmente, o mecânico que instalou o GPS na semana anterior não apertou os parafusos do suporte, e ele acabou caindo de cara no tanque de combustível. Eu o levantei e sua cara mole olhava a minha feito um pato morto, mas então vi que os parafusos estavam se soltando cada vez mais e logo cairiam, fazendo com que ele ficasse preso no garfo, travasse a direção e me matasse. Melhor eu encostar.

Postos de gasolina vender milhões de variedades de salgadinhos e bebidas, mas eles não vendem ferramentas. Estava ficando desesperado, e aí me lembrei: eu tenho uma moto, e ela tem um kit de ferramentas debaixo do assento. E tinha. Consertei o suporte e segui em frente. Mas quando tirei minha luva, ela recusou-se a aceitar minha mão sem resistência. O forro interno acabou se deslocando, e meu dedo mindinho ficou contorcido no forro de algodão feito alguém com febre alta contorcendo-se em uma noite especialmente ruim. Estava doendo muito e fez aumentar o pânico.

Mas a minha mente deixou de pensar neste desconforto quando um moto-boy, untado em sujeira e cicatrizes, encostou ao meu lado e grasnou que minha placa estava caindo. Eu estacionei numa baia designada para motos. A placa estava pendurada em apenas um parafuso. E era uma placa diferente também. Esta tinha o nome da concessionária que a revisou. Alguém decidiu usar minha moto como um outdoor móvel. Eles teriam se saído dessa, se eles tivessem o bom-senso de prende-la direito.

Isto me irritou, mas não tanto quando eu voltei, duas horas depois, e vi minha moto com uma multa nela. Eu nem sabia que elas podiam ser multadas assim. A luva ainda não cabia direito; tinha certeza que minha mão estava ficando preta devido a pressão; minha placa estava presa com fita adesiva e, se eu não gastasse £80, Boris Johnson roubaria minha moto.

Decidi mandar tudo às favas. E então, ao deixar Londres, com minha cabeça baixa e olhos cerrados enquanto olhava através de uma chuva horizontal pesada o bastante para deter um tanque de guerra, minha mente concentrada e minha visão embaçada por causa de um visor coberto de sujeira e chuva, eu esqueci da minha mão, da multa, da placa e do GPS, e eu curti o desafio, com sua dificuldade e a emoção. Andar de moto ainda é bem real: isto ainda dói se fizer algo errado, não sai barato, coisas à prova d’água nunca realmente são à prova d’água, as concessionárias exploram você quando podem e as luvas são ruins. Mas é brilhante, e eu não mudaria nada. Tá bom, eu daria um jeito nas luvas.

Sobre johnflaherty

Meu nome é Sadao H. Konno, mas sou mais conhecido como "John Flaherty". Por quê? Porque sim, uai! Desde criança, eu gosto de carros, tanto que minha lembrança mais antiga dessa época é de uma capa da antiga Audi Magazine. Nunca fui muito de ler os grandes clássicos da literatura, mas o que me salvou foram as revistas especializadas em carros. Mais precisamente, a QUATRO RODAS, a MOTOR SHOW e, recentemente, a AUTO ESPORTE. Acho que foi em 2009 que descobri o Top Gear, e desde então, virei um grande fã da trupe formada pelo Jezza, Hamster, Capitão Lerdo e Stig. Em 2010, inspirado por uma amiga da faculdade, decidi começar a legendar vídeos do Top Gear e postá-los no YouTube. Infelizmente, minha conta foi bloqueada pela BBC, mas agora, ofereço suporte ao blog Top Gear BR.

Publicado em 08/12/12, em Hammond, Matérias traduzidas, News e marcado como . Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. joao alberto

    show o relato apesar de não curtir moto fiquei empolgado durante a leitura do texto, e ai teremos algum episódio esse final de semana, pois estou entediado aqui sem nada para fazer.

  2. Geraldo Gattolini

    Só resolvi este problema das luvas adotando as de pesca submarina e uma subluva com o mesmo tecido da 2ª pele. Sem frio, sem água de chuva, sem incomodação com forros que prendem o dedo…

  3. Sou mais apaixonado por moto que de carro.
    Uma coisa é verdade nem se compara os equipamento de motociclista de antigamente com os de hoje.
    Uma vez vi um capacete da década de 70, comparado aos meus é um casca de ovo. Ele dobrava só fazer pressão com as mão tipo esses “Sam Marino” que o povo compra pensado que são seguros.
    Luvas ? Quem usava ? Jaquetas eram aquelas vagabundas sintéticas que você vê muito motoboy usando que em caso de um tombo com o atrito do asfalto vai se fundir a pele dele.
    Bota ? Só de borracha no máximo em dia de chuva.
    Vale apena de mais gastar um R$ 2.000 em equipamento, que além de seguro são muitos bonitos.
    Parabéns a toda equipe Top Gear BR pelo trabalho.
    Sigo vocês des da época do YouTube.

  4. germaniobr

    Sou gearhead e apaixonado por carros, mas de tudo que já passou pela minha vida e tive de me desfazer, o que mais me dá saudade e sinto falta até hoje foi minha Virago 535.

    Um v2 encorpado, tração via cardã e refrigerado à ar. Pedaleiras avançadas e após colocar a 5ª marcha era só se concentrar no asfalto e sentir o vento teimosamente passando entre os zíperes da jaqueta e ao redor do pescoço abaixo do capacete.

    A sensação mais prazeirosa que já tive na vida foi quando busquei a moto em Florianópolis e a pilotei subindo a BR 101 em SC até chegar em Jaraguá num início de tarde de uma 4ª feira de agosto.
    Subir a BR numa tarde ensolarada tento o litoral de companhia à minha direita e o asfalto praticamente livre em duas pistas foi talvez a melhor sensação sobre rodas que já tive, e até hoje não consegui suplantá-la.

    Sinto falta da Virago, e invariavelmente, quando as coindições de minha vida me permitirem novamente ter uma moto custom, provavelmente terei outra… ou uma HD se puder sonhar um pouquinho mais alto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: